Como aprender latim


6209892852_7349c16074_b

Antes que alguém possa questionar o objetivo deste artigo, é preciso esclarecer que o estudo do latim não tem como única finalidade o aprofundamento no estudo do português. Em países de primeiro mundo como Alemanha, Áustria e EUA, o estudo do latim é ministrado de 5 a 9 anos, sobretudo nos cursos superiores de ciências exatas, como matemática e engenharia. Mas por quê? Que benefícios uma língua morta pode trazer à um matemático ou engenheiro?

5684896601 4ef94be4c7 b 600x250 Como aprender latimEis o x da questão! Por tratar-se de uma língua de casos, ou seja, uma língua em que os termos sintáticos são declinados ou flexionados como o verbo em português, uma língua em que é necessária a análise das ordens em que, gramaticalmente, é possível dispor os termos numa oração, o latim tem o condão de aprimorar o intelecto, de aumentar nossa capacidade de raciocínio e nossa concentração. Daí resulta o interesse e a necessidade do estudo do latim por matemáticos, físicos e engenheiros.

6081719024 ff6e47f114 b 600x250 Como aprender latimQuanto à pronúncia, não obstante a pronúncia restaurada, o latim consiste em uma língua morta, ou seja, sobrevive apenas em documentos, portanto, o que interessa no latim é a sua ampla literatura, quer nos versos de um Ovídio ou Homero, quer na prosa de um César ou Cícero.

2222123035 4ee458930c o 600x250 Como aprender latimNão pretendo, nessas poucas linhas, ensinar uma disciplina cujo estudo requer um número considerável de lições, mas tão-somente apoiar a mão daquele que pretende dar as primeiras pinceladas nessa magnífica arte do conhecimento humano, em outras palavras, darei o amparo necessário àqueles que desejam dar os primeiros passos pelas veredas dessa ferramenta imprescindível para o desenvolvimento da inteligência.

Passo a passo

  1. Sabe-se que em uma oração podem ser encontrados seis termos sintáticos: o sujeito, o vocativo, o adjunto adnominal restritivo, o adjunto adverbial, o objeto direto e o objeto indireto.
  2. O sujeito de uma oração é o termo que exerce, que pratica a ação verbal, e para descobri-lo basta fazer a pergunta que ou quem praticou a ação verbal, ou seja, se a oração é Athos marcou um golaço, a pergunta a ser feita será Quem marcou um golaço? A resposta será o sujeito, ou seja: Athos.
  3. A palavra ou caso que, em latim, indica a função de sujeito chama-se nominativo. Assim, quando uma oração for traduzida do português para o latim, o sujeito deve ir para o nominativo.
  4. Vocativo é o termo que indica chamado ou apelo, como no exemplo: Henrique, saia já da rua!  O termo grifado é o vocativo porque indica o apelo: o chamado por Henrique.
  5. Em latim, o termo que indica o vocativo é também chamado vocativo. Assim, quando uma oração for traduzida do português para o latim, o vocativo deve ir para o vocativo (latino, é claro).
  6. O adjunto adnominal restritivo é o termo sintático que limita, que restringe outro termo ou nome, como no exemplo: Os olhos de Pâmela são verdes. O termo grifado consiste no adjunto adnominal restritivo, porque este restringe o nome, no caso, o sujeito os olhos. Os olhos, aos quais se referem a oração, não são os de qualquer pessoa, mas somente os de Pâmela.
  7. O termo que em latim indica o adjunto adnominal restritivo, é chamado de genitivo. Assim, quando uma oração for traduzida do português para o latim, o adjunto adnominal restritivo deve ir para o caso latino genitivo.
  8. O adjunto adverbial é o termo, não exigido pelo verbo, que fornece uma circunstância de lugar, tempo, instrumento, meio, companhia, causa, matéria ou modo. Exemplos: Uma estátua de mármore. O termo grifado é um adjunto adverbial de matéria. Cantamos no karaokê. O termo grifado é um adjunto adverbial de lugar.
  9. O termo que, em latim, indica o adjunto adverbial chama-se ablativo. Assim, quando uma oração for traduzida do português para o latim, o adjunto adverbial deve ir para o caso ablativo.
  10. O objeto direto é o termo que complementa, que completa a significação de um verbo transitivo direto. Veja o exemplo: A princesa beijou o plebeu. O verbo transitivo direto ou de predicação incompleta beijar exige um complemento. Quem ou que a princesa beijou: o plebeu. Portanto, o plebeu é o objeto direto.
  11. O termo que, em latim, indica o objeto direto, é chamado de acusativo. Assim, quando uma oração for traduzida do português para o latim, o objeto direto deve ir para o acusativo.
  12. O objeto indireto é o termo que também complementa e completa um verbo de predicação incompleta, mas de forma indireta, ou seja, a ação verbal recai para ele de forma indireta, exigindo uma preposição. Veja o exemplo: A princesa correspondeu aos sentimentos do plebeu. O termo grifado constitui o objeto indireto porque completa indiretamente (por meio de preposição) a significação do verbo intransitivo corresponder.  A princesa correspondeu a que? Aos sentimentos do plebeu, sendo os termos aos sentimentos o objeto indireto e do plebeu o adjunto adnominal restritivo.
  13. O termo que, em latim, indica o objeto indireto é chamado dativo. Assim, quando uma oração for traduzida do português para o latim, o objeto indireto deve ir para o caso dativo.
  14. Agora que você já sabe a correspondência entre os termos de uma oração em português e os termos de uma oração em latim, vamos explicar o que vem a ser desinência. Desinência é a parte final variável ou flexível de uma palavra. Para flexionar ou, mais propriamente, declinar uma palavra em latim, é necessário acrescentar essas desinências ao radical da palavra, de acordo com a função que ela exerça na oração.
  15. E para descobrir o radical de uma palavra latina? É simples, basta tirar a desinência do genitivo singular da palavra, o que sobrar será o radical.
  16. Vamos então à nossa primeira pincelada na língua latina. Saiba que em latim existem seis casos para os substantivos. Casos? Calma, você já sabe o que é caso, só ainda não conhece a denominação para o que já conhece. Caso é a maneira de escrever uma palavra em latim de acordo com a função que ela exerce na oração. Por exemplo, se a palavra exerce a função de sujeito, como você já aprendeu, vai escrevê-la na forma de nominativo, que é o caso latino que indica o sujeito.
  17. Os substantivos, como já havia dito, são distribuídos em seis casos, portanto, existem seis declinações ou maneiras de flexionar, ou declinar, os substantivos, dependendo do grupo ao qual pertença. Se ele pertence à primeira declinação, a desinência de seu genitivo singular será ae; se pertence à segunda declinação, a desinência de seu genitivo singular será i; se pertence à classe da terceira declinação, a desinência do genitivo singular será is; se à quarta, a desinência de seu genitivo singular será us; se pertencer à quinta declinação, a desinência do genitivo singular será ei.
  18. Veja as desinências da primeira declinação e como, na prática, é muito fácil declinar uma palavra em latim:

1ª DECLINAÇÃO

SINGULAR

PLURAL

Nominativo      a Nominativo     ae
Vocativo          a Vocativo         ae
Genitivo          ae Genitivo          arum
Dativo             ae Dativo             is
Ablativo          a Ablativo           is
Acusativo        am Acusativo        as

Declinemos agora uma palavra em latim: victoria (que significa, em português, vitória).

SINGULAR

PLURAL

Nominativo – victoria Nominativo     - victoriae
Vocativo     - victoria Vocativo         - victoriae
Genitivo      - victoriae Genitivo          - victoriarum
Dativo       - victoriae Dativo            - victoriis
Ablativo    - victoria Ablativo          – victoriis
Acusativo – victoriam Acusativo        – victorias

Assim é o latim, uma língua de casos, em que você, quaisquer que sejam as frases ou orações expressadas, precisa declinar e flexionar as classes ou termos gramaticais. Por analogia, para ter uma ideia do latim, imagine que tudo o que você falasse em português tivesse de ser conjugado, como fazemos com os verbos.

Dicas de pronúncia

  • Os grupos vocálicos ae e oe, com poucas exceções, têm o som de é;
  • ch tem o som de k;
  • u dos grupos qu e gu é sempre pronunciado;
  • t, quando seguido de i breve e de mais uma vogal soa como c;
  • x tem sempre o som de ks;
  • j tem o som de i;
  • v soa como u;
  • gn soa como nh;

Dado o primeiro passo, cabe a você os demais estudando a língua latina através de cursos on-line ou adquirindo uma boa gramática.

*Pax vobiscum!

*A paz esteja convosco!

2 replies to this post