Como fazer lajes: tipos de lajes


4609528853_1107ca614b-F550x450

Muito bem. Chegou o momento de fazer a laje em sua casa para poder, literalmente, ter um teto para se abrigar e ficar tranquilo. Porém, alguns procedimentos devem ser seguidos para que isso não se torne uma tremenda dor de cabeça, ou até algo mais complicado e desagradável. Veja as dicas a seguir, para ficar por dentro das opções existentes e poder escolher a melhor para a sua obra. Ensinaremos ainda como fazer uma boa laje.

shutterstock 33224512 F550x4501 Como fazer lajes: tipos de lajes

Via Shutterstock.

Qual é a laje ideal?

O ramo da construção civil está cada vez mais moderno. Todos os dias surgem novas técnicas, ferramentas e materiais para trazer agilidade e qualidade à execução de todas as etapas de uma obra. A confecção da não ficou de fora desses avanços tecnológicos. Atualmente existem várias técnicas, materiais e projetos que possibilitam a confecção, com altíssima qualidade, dos mais variados tipos de laje. Na lista a seguir estão apresentados alguns dos tipos de laje que poderão ser aplicados em uma construção, veja se alguma se aplica à sua necessidade.

  • Laje pré moldada – São lajes pré fabricadas que dispensam o uso de taipá, estrutura de madeira sustentada por estacas onde é colocado concreto. Neste tipo de laje esta estrutura é substituída por outra, formada por vigas de concreto treliçadas, ou somente pelas treliças onde são encaixados blocos de cerâmica ou isopor (EPS), que servirão como base para receber o concreto. São muito usadas em grandes construções, por diminuírem o peso sobre o terreno, e também pelo fato do custo operacional ser inferior ao das convencionais maciças. Outra vantagem é que não é feita a remoção da mesma após a cura, já que ela em si é parte da laje
  • Laje maciça -  A tradicional laje que todos conhecemos. Muito usada ainda, principalmente em obras particulares de pequeno porte, ou em locais onde se necessita de maior resistência à sobrecarga e à tração. Requerem a montagem de um taipá, em geral de madeira, que servirá de base para o concreto. O custo, a demanda de tempo e a mão de obra para execução deste tipo de laje é sempre maior.
  • Laje de pré moldados de concreto – Como a laje pré moldada de cerâmica e isopor (EPS), é muito usada em grandes construções, como estacionamentos aéreos em edifícios, locais onde haverá grande trânsito de pessoas, pisos de shopping center\’s, mesalinos, entre outros. Tem custo elevado e requer profissionais altamente qualificados, além da supervisão de uma equipe de engenheiros e técnicos especializados.
  • Laje de piso – São lajes colocadas entre um pavimento e outro de uma construção em geral, são mais reforçadas por terem que suportar maior peso após a ocupação do imóvel.
  • Lajes de cobertura - São lajes usadas para cobrir a construção, ou seja, o teto da residência. Em geral são confeccionadas com um caimento para escoamento fácil da água, tem a característica de ser mais espessa e, preferencialmente, maciça, para evitar infiltrações e vazamentos por aparecimento de rachaduras.

Como fazer uma laje.

Trataremos aqui da laje de cobertura especificamente.

  1. Obtenha um projeto junto à um engenheiro registrado no CREA de sua região, no caso de você estar substituindo um telhado convencional por uma laje. Para uma obra nova, a laje deverá estar incluída desde o início no projeto. O engenheiro, no primeiro caso, irá ver as condições do imóvel e avaliar se suporta ou não a substituição, e quais alterações serão necessárias.
  2. Sigas as informações contidas no projeto, em caso de construção nova ou substituição do telhado, para a montagem do taipá, escoramento, amarração e ancoragem das ferragens, e também da colocação dos negativos e juntas de dilatação quando necessário.
  3. Distribua toda a tubulação elétrica, mangueiras, conduítes e caixas de luz, seguindo as medidas e quantidades solicitadas no projeto para cada ponto, deixando as pontas de espera das mangueiras descendo nos cantos junto às paredes nos locais necessários.
  4. Isole as possíveis frestas e buracos no taipá, para evitar vazamento do concreto e o desperdício, ou mesmo rompimento, do mesmo. Aproveite para certificar-se de que o escoramento feito tem condições para suportar o peso que irá receber, e se o mesmo está bem fixado.
  5. Prepare o concreto caso, este seja feito na própria obra, seguindo os padrões de medidas de traço pedidos no projeto. Certifique-se de que tem pessoal suficiente para execução de todas as tarefas necessárias, como medição, traçagem, viragem e transporte. Em caso de concreto pronto vibrado, verifique, juntamente com o pedreiro, a qualidade e homogeneidade do mesmo. Não deixe de solicitar o bombeamento hidráulico/mecânico do mesmo até o local de enchimento. Apesar de onerar um pouco o custo, é a opção mais viável.
  6. Exija também o documento que específica e certifica o tipo de concreto que esta sendo entregue, bem como o que lhe garante a estabilidade e qualidade do mesmo, para se precaver de possíveis futuros problemas,como trincas, rachaduras, entre outros.
  7. Certifique-se de contar com um ou mais profissionais capacitados – pedreiros – para executar a tarefa de bater a laje. Da capacidade deste profissional que irá executar esta etapa dependem a boa qualidade, resistência e o aparecimento ou não de trincas e/ou rachaduras na laje após a cura ou mesmo antes deste período.
  8. Após terminada a tarefa de enchimento da laje, deve-se molhá-la nas próxima 24 horas, em intervalos de 2 a 3 horas nas primeiras 12 horas, e 1 vez, no mínimo, nas próximas 12 horas. Deve-se iniciar esse processo  na primeira hora após o enchimento, principalmente em dias e regiões muito quentes. A água deve ser utilizada em abundância, mas sem jatos fortes.
  9. Aguarde um espaço de 14 a 15 dias, no mínimo, para retirada do taipá. Esse período é necessário para a cura ideal do concreto, evitando selamento da laje.
shutterstock 100165745 F550x4501 Como fazer lajes: tipos de lajes

Via Shutterstock

Lembrem-se de que todos os processos de execução de qualquer tarefa em uma obra, seja ela grande ou pequena, devem sempre ser acompanhados e supervisionados por um técnico ou engenheiro credenciado pelo CREA de sua região. Além disso, o uso de equipamentos de segurança individual (EPI) em uma obra, deve ser exigido para todos, incluindo visitantes, evitando assim transtornos caudados por acidentes. Boa sorte em sua obra!

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima! Clique aqui para se cadastrar !