Como funciona a doação de órgãos no Brasil


Doctor_consults_with_patient_(1)

A doação de órgãos no país é cada vez mais comum e, com o aumento de doadores, aumenta também o número de transplantes e de pessoas salvas. Para ser um doador, ao contrário do que muitos pensam, não é necessário que se deixe nenhuma autorização por escrito, a família é quem dá o aval para a retirada dos órgãos após a morte cerebral. Atualmente, o programa de doação de órgãos brasileiro é um dos maiores e mais efetivos do mundo.

Apesar da morte cerebral, mesmo com o uso de aparelhos para manter o paciente respirando, o coração continua batendo, irrigando os demais órgãos, por isso é importante que os órgãos não levem muito tempo para serem retirados. Caso o coração pare de bater e de levar sangue para o resto do corpo, apenas as córneas poderão ser aproveitadas.

lossless page1 320px Doctor examining document F550x450 Como funciona a doação de órgãos no BrasilWikimedia Commons

As centrais de transplante das secretarias estaduais de saúde são as únicas que têm acesso aos cadastros de pessoas que estão na fila para receber um órgão. Não é sempre que o primeiro da lista irá receber o transplante, é preciso que sejam feitos exames para descobrir a compatibilidade com o doador. Todos os processos são controlados pelas centrais para evitar o comércio ilegal de órgãos.

Para que uma pessoa esteja hábil ela precisa:

  • Ter identificação e registro hospitalar;
  • Sua causa do coma deve ser estabelecida e especificada;
  • Ter temperatura acima de 35°C, não ser hipotenso e não estar sob efeito de drogas que afetem o sistema nervoso central;
  • O paciente deve passar por dois exames neurológicos que comprovem a morte cerebral, os exames devem ser feitos por dois médicos diferentes e não participantes da equipe de transplante;
  • O paciente deve apresentar morte encefálica caracterizada pelo não fluxo sanguíneo em quantidade necessária no cérebro e também inatividade elétrica e metabólica no cérebro.
  • A morte cerebral deve ser confirmada. A morte encefálica é bem diferente do estado de coma, no qual as células do cérebro permanecem vivas, respirando e se alimento, mesmo que seja em uma atividade mínima.

Doctors in Vivantes Besprechung 08 F550x450 Como funciona a doação de órgãos no BrasilWikimedia Commons

Quais órgãos podem ser doados?

Podem ser doados o coração, os pulmões, os rins, o fígado, o pâncreas e as valvas cardíacas. Além dos órgãos doam-se também os tecidos, são eles: córneas, medula óssea, cartilagem, ossos, pele e o sangue.

A doação de órgãos também pode ser feita por doadores vivos. É muito comum que exista a doação entre parentes ou amigos, ou ainda a chamada cirurgia dominó, na qual várias famílias se reúnem para ajudar umas as outras doando seus órgãos entre si. Nesses casos, não pode existir nenhum tipo de risco para o doador. Os órgãos que podem ser doados em vida são: parte do fígado, parte do pulmão, rim, pâncreas, pele e medula óssea.

Couple consults with doctor 1 F550x450 Como funciona a doação de órgãos no BrasilWikimedia Commons

Faça sua vontade em vida, avise parentes e entes queridos sobre a doação, conte sobre como é o processo, é muito importante que eles saibam a sua vontade e entendam que essa atitude pode salvar não só uma vida, mas várias. Pessoas podem continuar vivendo graças a esse ato de solidariedade após a morte.

Seja um doador, salve vidas, pratique vida

(Imagem Destacada: Wikimedia Commons)

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima! Clique aqui para se cadastrar !

3 replies to this post