Como usar anticoncepcional


Uma gravidez indesejada pode causar grandes transtornos, principalmente na adolescência, quando não se está preparado física e psicologicamente para gerar um bebê. Mesmo assim, as relações sexuais desprotegidas, de jovens sexualmente ativos, aumentam de forma assustadora, mesmo com tanta informação disponível.

Muitos jovens, e mesmo adultos pouco conhecem a respeito dos anticoncepcionais. Julgam que existem apenas o preservativo – camisinha – e a pílula anticoncepcional. No entanto, existem outros métodos para  se evitar uma gravidez, que vamos listar aqui, bem como a maneira de usar cada um deles.

1) Preservativo ou camisinha: é uma “capa” de látex que envolve o pênis, retendo o esperma no ato sexual.

Modo de usar:

  • Desenrolar no pênis ereto, antes de qualquer contato com a vagina.
  • Retire com cuidado logo depois da ejaculação – possui um lado certo para desenrolar.

2) Camisinha feminina: Um tubo de poliuretano com uma extremidade aberta e outra fechada, acoplado a dois anéis flexíveis. Da mesma forma que a camisinha masculina, retém o esperma no momento da ejaculação.

Modo de usar:

  • Abra a embalagem no momento do ato sexual.
  • Flexione o anel para ser introduzido na vagina.
  • Empurre com os dedos indicador e médio o máximo que puder. Ficará sobrando um pouco pra fora.
  • Retirar logo após a ejaculação, rosqueando o anel para que não escorra.

3) Diafragma: Anel de látex que a mulher coloca na vagina tampando o colo do útero, e deve ser usado junto com espermicida. Só um médico pode indicar, pois depende do tamanho individual do colo uterino de cada mulher.

Modo de Usar:

  • Introduzir na vagina até o colo do útero de 15 a 30 minutos antes da relação sexual .
  • Retire depois de 6 a 8 horas.

4) DIU – ou dispositivo intra-uterino: um objeto em forma da T que é implantado no útero pelo médico.  Ele dificulta a passagem do esperma, assim como impede a implantação do óvulo já fecundado no útero, podendo ocorrer aborto no 2º ou 3º mês de gestação.

A mulher pode ter muitos efeitos colaterais como dor pélvica, sangramentos abundantes, riscos de infecção ou alergia ao cobre. Alguns desses dispositivos liberam hormônios também.

5) Pílulas anticoncepcionais: impedem a gravidez por meio de hormônios. Devem sempre ser indicadas por um médico e as mais receitadas são:

  • Monofásicas: toma-se uma por dia e todas tem a mesma quantidade de hormônio. Começa-se a tomar no quinto dia da menstruação até a cartela acabar, e dar um intervalo de 5 a 7 dias quando acontece a menstruação.
  • Multifásicas: Toma-se uma por dia, mas elas tem diferentes dosagens de hormônio, conforme a fase do ciclo. São tomadas da mesma forma das monofásicas, mas as pílulas diferem entre si, e não podem tomar fora da ordem. Causam menos efeitos colaterais.
  • De baixa dosagem ou minipílula: Dosagem bem baixa de hormônio,  e devem ser tomadas todos os dias, inclusive durante a menstruação.
  • Do  dia seguinte: a cartela vem 2 comprimidos . O primeiro deve ser tomado o mais rápido possível depois do ato sexual, até 72 horas, diminuindo a eficácia quanto mais tempo passar. O segundo, deve ser tomado 12 horas depois. Uma mega carga de hormônio é jogado no corpo da mulher, e causa muitos efeitos colaterais, por isso não pode ser tomado regularmente. Apesar de muitos dizerem que não é um método abortivo, há controvérsias sobre o assunto, assim como o DIU. Esta pílula nem sempre surte o efeito desejado e pode ter efeitos colaterais graves e intensos. O índice de falha pode chegar a 40%.

6) Injetáveis: De efeito semelhante à pílula, são injeções hormonais com efeito contraceptivo de 1 a 3 meses.

7) Implante hormonal: microbastão de hormônio sintético, implantado no ante-braço e inibe a ovulação. Duração de 3 anos.

8) Contracepção definitiva: Método cirúrgico e definitivo. A feminina consiste em ligadura das trompas e a masculina é a vasectomia.

Importante saber:

  • SEMPRE consulte um médico para que ele indique o método mais apropriado para você.
  • Siga sempre as instruções corretamente, e, antes de tomar qualquer coisa certifique-se que não está grávida.
  • Os anticoncepcionais que sua tia, sua mãe e sua irmã usaram não servem pra você. Nada de tomar qualquer coisa por conta própria. Seu ginecologista deve sempre ser consultado.

Boa sorte!

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima! Clique aqui para se cadastrar !